Pão & Vinho

Aprendendo o Passado, Entendendo o Presente, Discernindo o Futuro

O Dízimo na Bíblia e na História

cartoonAntes de mais nada, devo esclarecer que não sou contra a prática de dizimar, mas ao longo dos anos, depois de muito meditar sobre o assunto, me desfiz de todo tabu a respeito do tema. Tenho hoje a convicção de que o dízimo deve ser usado como uma referência de primícias ao cristão que deseja, voluntariamente, participar do privilégio de ministrar aos santos com suas finanças. Entretanto, não encontro bases bíblicas ou históricas que possam legitimar a maneira como o dízimo é ensinado e coletado pela igreja institucional. Minhas  razões para alegar isso, estão abaixo:

1) Não há evidência bíblica que demonstre que a Igreja gentílica dizimava de forma obrigatória. O dízimo, como concebido na Antiga Aliança, servia para o sustento do Templo, dos sacerdotes e dos levitas. Com o fim desta Aliança, a obrigatoriedade do dízimo igualmente acabou. A Igreja gentílica neotestamentária nasceu fora deste sistema e não possuia sacerdotes, levitas ou templos. Justamente por isso, sempre que Paulo ensina sobre finanças na Igreja, fala em termos de doações voluntárias (2 Cor. 9). Portanto, o dízimo na Nova Aliança não pode ser praticado como um imposto religioso.

2) Há indícios históricos de que o dízimo deixou de ser um pagamento obrigatório com o fim da Antiga Aliança na maioria absoluta das Igrejas.  Irineu, Orígenes, Justino Martir, Tertuliano,  Cipriano, João Crisóstomo e outros cristãos dos séculos II ao V – cujos registros compõe a história da Igreja – nos falam somente de contribuições voluntárias na comunhão dos santos. Somente no século VI, no Sínodo de Mâcon (582), é que o dízimo começou a ser ensinado como algo obrigatório (quando se adotou a infame Teologia do Paralelismo entre a Igreja e o sistema sacerdotal/levítico veterotestamentário) e um milênio mais tarde – no Concílio de Trento – ganhou força de lei cujo não cumprimento seria punido com a excomunhão.

3) Somente algumas igrejas do Oriente dizimavam por obrigação porque interpretavam que o diálogo entre Jesus e o jovem rico (Lucas 18:18-24) ensinava a “generosidade sacrifícial”. Em primeiro lugar, esta interpretação é questionável, porque Jesus não pediu o dízimo ao jovem rico (o que supostamente já praticava) e sim que vendesse a totalidade de seus bens e desse aos pobres (o Senhor o testava porque o amor ao dinheiro era seu problema). Em segundo lugar, Deus não está interessado em ofertas feitas por obrigação. Em 2 Cor. 9:7, a palavra traduzida como “necessidade” é αναγκη (anagke), que na verdade quer dizer c0nstrangimento ou obrigação. Portanto, o versículo diz que “cada um deve dar conforme tiver proposto em seu coração, não por tristeza ou CONSTRANGIMENTO/OBRIGAÇÃO, porque Deus ama quem dá com alegria“.

4) Alguns alegam que o dízimo transcende a Lei porque veio antes da Lei (com Abraão e Jacó). Se estamos falando do dízimo voluntário, concordo em gênero, número e grau, porque tanto Abraão quanto Jacó dizimaram voluntariamente. Mas afirmar que o dízimo é obrigatório mesmo com o fim da Antiga Aliança (porque o dízimo precede a Lei) coloca a Igreja gentílica em maus lençois. O descanso sabático também aparece antes da Lei, já na primeira semana da Criação, e no entanto poucos advogam a favor de sua obrigatoriedade, com excessão de algumas comunidades sabatistas. Do mesmo modo, a circuncisão precede  a Lei (Gen 17:10). Portanto, é prudente adotarmos um peso e uma medida na interpretação da Antiga Aliança: ou todos os preceitos do Antigo Testamento (como o dízimo, a circuncisão e o descanso sabático) são obrigatórios, ou a obrigatoriedade destas coisas caducou com o fim da Antiga Aliança.

5)  A Antiga Aliança estabelecia 3 tipos de dízimos (Lev. 27:30-33, Num. 18:21-31 e Deut. 14:22-27 – este último a cada 3 anos). Quem ler estas Escrituras com atenção, verá que Israel tinha que dizimar 23.3% de sua renda anualmente e não somente 10%. Portanto, se vamos praticar o dízimo de acordo com a Lei, devemos ser coerentes e cumprí-la em sua totalidade. Ou damos voluntariamente ou adotamos todo o pacote mosáico.

6) Importante ressaltar também que o dízimo da Antiga Aliança nunca era pago em dinheiro, mas com lã (Deut. 18:4) e com comida (repare nas palavras de Jesus aos fariseus em Mt. 23:23). O argumento de que isso se dava porque na época não havia moeda é falso, pois o dízimo de Deut. 14:22-27 envolvia venda e compra – portanto os israelitas já dispunham de alguma moeda. O dízimo da Lei equivalia às primícias da lã da tosquia das ovelhas e dos primeiros frutos da colheita, portanto, somente os donos de rebanhos e de terras eram obrigados a dizimar. O pobre dava voluntariamente, mas não era obrigado a dizimar. Pelo contrário, o pobre colhia as sobras da colheita dos donos de terras (Dt. 24:19-21) e se beneficiava dos dízimos dos mais prósperos (Dt 26:12-13). Jesus e seus apóstolos não dizimavam, pois não eram donos de terras ou de rebanhos (eles eram considerados pobres e inclusivem se benefeciavam da Lei das sobras da colheita – Mateus 12:1-2). O imposto do templo era o único tributo compulsório pago por Jesus e seus discípulos (Mat. 17:24-27).1 Portanto, a maioria daqueles que usam Malaquias 3:9-10 para ensinar sobre o dízimo, chamando o pobre que não dizima de ladrão, não tem a menor idéia daquilo que está falando.  Quem obriga o pobre a dizimar, de forma legalista, não pratica o dízimo nem da Antiga e nem da Nova Aliança.

7) Uma prática antibíblica herdada da Idade Média passou por Lutero (simpático à Igreja Estatal) e se cristalizou entre nós: absolutamente nenhum pastor ou líder espiritual tem o direito de “fiscalizar” as ofertas de seus membros e/ou usar o dízimo como parâmetro para medir a espiritualidade de ninguém.Tal ato se constitui em uma arbitrariedade que contraria o ensinamento bíblico que nos diz que todo ato de caridade deve ser anônimo, algo pessoal entre aquele que oferta e o próprio Deus. E assim, o que nossa mão direita faz, a esquerda não tenha que saber (Mat 6:1-3).

8)  Hoje em dia, a Igreja institucional pede dinheiro ao pobre, ensinando-o que ele tem que dizimar (caso contrário estará roubando a Deus). No entanto, ao invés de ajudar o pobre, investe em propriedades e edifica obras que permanecerão aqui depois que Jesus Cristo voltar. Para justificar tal prática, ensina que Deus um dia pagará com juros tudo aquilo que o fiel investiu na instituição religiosa. Ainda que seja verdade que Deus abençoa aquele que semeia de forma abundante, este é somente um lado da verdade. No Novo Testamento os necessitados eram abençoados por Deus por meio da Igreja, com os fundos provenientes das doações. Infelizmente, o dízimo da forma em que é ensinado e praticado na Igreja denominacional oprime o pobre, pois a Igreja somente ensina que Deus abençoará o pobre de alguma forma, em algum dia, mas recusa-se a ser parte deste processo.  Assim , o evangelho deixou de ser as boas novas ao pobre (Lucas 4:18) para se tornar uma forma de opressão ao pobre.

Concluo, portanto, que ainda que o dízimo seja bíblico, a aplicação que lhe é dada nos dias de hoje está longe de ser. É nada mais que um imposto religioso que herdamos da Igreja Estatal da Idade Média.

Continua na Parte 2.
Nota

[1] O imposto do templo era um pagamento compulsório equivalente a ½ shekel (US$ 50) pago anualmente por todos os varões com mais de 20 anos de idade, de acordo com Ex. 30:11-16.


 

Pão & Vinho

Este artigo está sob a licença de Creative Commons e pode ser republicado, parcial ou integralmente, desde que o conteúdo não seja alterado e a fonte seja devidamente citada: http://paoevinho.org.

Bookmark and Share
Tema(s): , , ,

36 Comentários

  1. gostei do que li. Ha muita confusao nas igrejas, fruto, em grande parte, da falta de honestidade de seus dirigentes e de alguns de seus membros e da ignorancia das massas. Como pode uma igreja construir um imperio aqui na Terra, se a biblia nos diz q o mundo jaz no maligno? E possivel q estes imperios levantados por certas igrejas tb facam parte do maligno.

    ReplyReply
  2. Graça e paz meu irmão, estou contigo. Tenho certeza que a igreja precisa dos nossos recursos, seja qual for a porcentagem desde que seja com alegria, é melhor dar 5% com alegria do que 10% por obrigação.

    ReplyReply
  3. Concordo plenamente com o comentário sobre o dízimo, que hoje em praticamente todas igrejas é aplicado de forma erronea. Na verdade as pessoas sao enganadas e, por isso sofrem a pena em Nao examinarem as Escrituras, como o Senhor disse.Sao tbm mercadores da palavra de Deus.Jesus e os Apóstolos Nunca deram mandamento para a igreja pagar Dízimos!Veja bem! a Sua Igreja que é um organismo,e Nao uma organizaçao institucional,ou uma empresa que nao vive sem dinheiro.Cadê a tribo de Levi,os Levitas,os Sacerdotes,Para pagarmos o dízimo?Ha tempo de despertar-mos!

    ReplyReply
  4. Eu e o meu marido sempre tivemos dúvidas em relação ao dízimo, não porque nos recusamos a ofertar, mas porque acreditamos que a verdade deve sempre ser dita. Procurávamos os nossos “pastores” e eles afirmavam a obrigatoriedade do dízimo, íamos às Escrituras e não encontrávamos respaldo para tal afirmação. Hoje acredito, pelo que diz as Escrituras, que o dízimo não é obrigatório, que se participo de uma comunidade cristã que precisa se manter devo ofertar/dizimar com alegria no coração e que, quando estou ajudando alguém estou ofertando a Deus.

    ReplyReply
  5. Deus não fica com divida para com o homem com certeza tudo que alguém der para a obra dele com esperança de receber de volta com certeza ele vai devolver com juros e correção, mas ele passa a não te dever nada; já parou para pensar se Deus fosse cobrar pelo o que ele já fez por nós? Não, não e mesmo? Vejo nas igrejas pessoas vendendo e pessoas comprando as bênçãos de Deus, eu prefiro acreditar que falta conhecimento nestas pessoas, caso ao contrario só lamento por estes, hoje a grande maioria das igrejas virou um grande comercio o pior de tudo e que eles vendem o que não e deles, pois o verdadeiro dono de tudo fez por amor sem pedir nada em troca, e a maior alegria dele seria ver aqueles a quem ele confiou ao seu rebanho que fizesse tudo por amor sem tirar aproveito da inocência das suas ovelhas por quem ele sofreu tanto para dar a liberdade; o que parece e que estamos pagando a nossa salvação com 10% do nosso salário. Eu tenho algo para falar para vocês e tempo de reforma na casa do Senhor e todo material que não tem mais condições de uso serão substituídos por um material novo. Por: José Paulo

    ReplyReply
  6. Não devemos ser contra a pratica do dizimo mas contra as heresias que agregam a ele. O dizimo é um preceito biblico util para os dias de hoje, ajudando o cristão na sua mordomia crista. É verdade que a obrigatoriedade do dizimo mosaico passou com a morte de Cristo na cruz todavia a sua moral não passou ou seja é um excelente parametro para iniciar a semeadura pois Deus “…da semente ao que semeia…” ( 2 Co 9.8-10) Os cristãos que estão recebendo mais do que apenas …”pão” (2Co 9.10)tem a responsabilidade de semear aquilo que é semente. A instrução de Paulo era para semear bastante pois esse parece ser o alvo a ser atingido em (2Co 9.6)sendo assim o dizimo é uma boa ferramenta para começar. Irineu um dos pais da igreja mencionado no estudo acima disse que Cristo não aboliu o dizimo e sim ampliou. Jesus ampliou o leque na mordomia se os farizeus dizimavam da agricultura e da pecuaria porem do que sobrava eram avarentos (Lc16.10-13)A igreja de jerusalem de maioria judaica ou seja judaica crista com relação a agricultura praticaram o ensino de Jesus em (Mt 23:23)Pois continuaram zelosos da lei (At 21:20)porem sabiam que a salvação era somente pela ´fe em Cristo (At 4:12)no que se refere aos bens cumpriram ( Lc 12:33;At 2:45)e na mordomia geral praticaram ( Lc 14:33; At 4:32). Quando se diz que a igreja no N.T não dizimou não é toda a verdade o correto é que uma parcela da igreja de maioria judaica dizimavam ainda que com a roupagem da lei como vimos que eram zelosos da lei porem assim como a igreja de maioria não judaica tambem eram “igreja de Deus” (Gl 1.13)Vemos que na parcela da igreja de maioria não judaica o dizimo foi transformado na forma da generosidade e que para organizar uma coleta para levar o pão que perece para aqueles que já tinham o pão vivo foi estipulado varios parametros que se praticados assemelham ao dizimo que seriam ;contribuir regularmente,proporcional,generosamente,uma parte dos recusos são sementes (2 Co9:10)assim o dizimo é um bom parametro ja que agora o principal não é levar o pão que perece mas o pão vivo aos que perecem. Assim o dizimo é um principio biblico aplicavel nos dias de hoje, sem contudo condenar os que não aderem a tal pratica porem alerta-los a fugirem da avareza e que Jesus ensinou a ‘não entesourar” ( Mt 6.19)Tambem pesquisei o assunto durante 360 dias e conclui que dizimar é um previlégio.

    ReplyReply
  7. a igreja de maioria não judaica foi ensinada que nada possuimos semelhante a igreja de jerusalem .Atos 4:32 Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum.
    “….os que compram algo, como se nada possuíssem; …”. (1 Coríntios 7.29-31 A igreja no N.T superou o judaismo no zelo de como ofertar.

    ReplyReply
  8. @jose:

    Obrigado por seu comentários.

    Nunca condenei o dízimo de maneira generalizada, somente sua aplicação nos dias de hoje. Se esta foi a sua impressão, talvez não tenha levado em consideração as primeiras linhas e as últimas linhas deste artigo onde procuro deixar isso claro. O que refuto neste artigo é o “dízimo malaquiano”, distorcido e transformado em imposto religioso por grande parte das Igrejas contemporâneas, que oprime o pobre e não está de acordo nem com os parâmetros do AT muito menos do NT. A passagem citada por você (2 Cor 9) também foi mencionada no artigo para dizer que qualquer contribuição na Igreja deve ser fruto de adoração e voluntária, não por coação. Qualquer sistema de coleta implantado por Paulo não contradiria os parâmetros que ele mesmo estipulou nesta passagem. A despeito das palavras de Irineu, nem ele nem nenhum pai da Igreja ensinou sobre contribuições financeiras como um dízimo obrigatório ou imposto religioso, somente como uma expressão voluntária do cristão (se encontrou alguma citação dos pais da igreja que indique algo diferente, peço que por favor cite a referência para que possamos averiguar). Este é o meu ponto. Se o dízimo for dado de maneira voluntária e sem coação, não há nenhum problema. Por favor, leia meu artigo “Primícias e Ultimícias” para entender melhor o que penso a respeito disso.

    Parece haver um outro equívoco de compreensão de sua parte. Nunca disse de forma generalizada que a igreja do NT não dizimava. Durante todo o artigo me referi especificamente à Igreja gentílica, que nasceu fora das instituições judaicas, sem castas sacerdotais ou templos e que nunca dizimou de forma obrigatória. A Igreja judaica em Jerusalém nunca abandonou as instituições mosaicas, apesar de ter abraçado o Messias. Eles dizimavam tanto quanto sacrificavam mesmo depois da vinda do Cordeiro de Deus. Portanto, não servem de referência para o que estamos discutindo aqui. O que me proponho a discutir neste artigo é como a Igreja gentílica se portava com relação às finanças. Mais sobre isso no artigo “O Dízimo e a Igreja Gentílica“. Seus comentários serão bem vindos neste outro artigo.

    ReplyReply
  9. @jose:

    Concordo. Mas meu ponto é que isso se deu de forma natural e não pela imposição do dízimo pseudo-malaquiano dos dias atuais.

    ReplyReply
  10. Caro amigo, na verdade não comentei com a intenção de refutalo pois os seus estudos na maior parte estão de acordo com o que eu entendo sobre esse assunto. O que comentei foi com a intenção de dar a minha contribuição para o tema abordado pois tambem pesquisei esse assunto durante 360 dias. A minha citação sobre Irineu foi que ele realmente disse que Cristo não aboliu o dizimo mas ampliou não usei Irineu para dizer que ele teria ensinado que o dizimo seria obrigatorio mas que agora a nossa mordomia é em relaçao aos cem porcento do que Deus nos tem entregado ou seja devemos saber como adiministramos. Apos pesquisar o assunto com mais profundidade passei a dizimar com mais vontade agora antes de entrega-lo oro para Deus aceitar como adoração como reconhecimento de que tudo lhe pertence. O que comentei foi algumas das conclusões que conclui sobre o tema tendo muitas outras que no geral entendo que as heresias que agregaram ao dizimo devem ser refutadas porem os ensinos biblicos sobre a mordomia crista não nos leva a ser menos zelosos do que os judeus da antiga aliança nem menos do que a igreja de Jerusalem descrita em Atos e nem menos do que a igreja descrita nas cartas apostolicas. O não dizimar não leva a condenação mas sim o ser avarento por isso os não dizimistas correm perigo assim como os dizimistas tambem. O dizimo é uma boa ferramenta na mordomia crista porem deve ser norteada pela voluntariedade.

    ReplyReply
  11. Hugo, creio que seria interessante salientar nesta série de artigos que ao referir-se ao dízimo para o sustento da “Casa de Deus” isso nada tem a ver com um edifício ou uma denominação e sim ao povo de Deus, ao corpo vivo de Cristo, às pessoas que compõem a igreja do Senhor!

    ReplyReply
  12. Achei muito bom. Obrigado por complementar o que Deus tem me ensinado a respeito deste assunto. Recentemente mudei minhas práticas relacionadas ao dízimo e me sinto muito melhor com o que tenho feito. Não tenho dado menos, tenho dado onde Deus sempre me pedia para dar, conforme a direção d’Ele. Deus usou irmãos para me testemunhar e me ensinar os valores do Reino em contraposição a Instituição humana que se apossou do nome “Igreja”. Graças a misericórdia d’Ele mesmo há um mover do Espírito em todo o mundo no ajudando a chegar mais perto da vontade do Pai, em vários sentido.

    Um abraço, e continuemos nossa jornada rumo ao Reinado de Cristo em toda a Terra!

    ReplyReply
  13. A paz do Senhor, irmãos. No livro de Atos , no princípio vemos os cristãos muitos unidos e colocando tudo aos pés dos apóstolos, e estes fazendo a partilha dos bens recebidos, entre todos, e não na conta somente dos apóstolos. Era um regime comunista de bens, porque assim queriam, mas com o passar do tempo, vemos adiante na Bíblia, que cessou esta doação de doar tudo o que tivesse entre eles, e vemos outro tipo diferente de doação estabelecida: ….”cada um doe conforme o seu coração”…ou “cada um conforme as suas posses”…..e em 1Co 9 de 1-14, vemos o apóstolo mandando os cristãos ajudarem no sustento daqueles que pregam o evangelho, se referindo a Lei Mosaica, mas sem fazer menção dos 10%. Acontece, que se hoje em dia não dermos os 10% e mais outras ofertas(porque estão sempre precisando para fazerem alguma coisa no templo), a gente passa a ser rejeitado pela liderança. Falei com o meu pr, que contribuía com uma parte do dízimo, em uma obra missionária que não faz parte da igreja dele, e que o restante do dízimo e ofertas, estes eram para a nossa igreja. No final das contas, toda a minha contribuição passava um pouco além do dízimo, mas vejo que ele não concorda. Prá ele eu não dou o dízimo, mas prá Deus eu sei que dou. Já não tenho, há muito tempo, por N fatores, nenhuma vontade de estar na igreja, pois agora, também não concordo de maneira nenhuma tirar a parte das missões e dar para a nossa igreja. É horrível esta cobrança de dízimos nas igrejas, e além desta cobrança, temos que dar todas as outras coisas, e, ele só vive falando em comer o bem da terra, porque é promessa de Deus para ele. Qual o endereço das igrejas orgânicas aqui no Rio de Janeiro? Estou cansada dos templos, e concordo com o que o irmão escreveu sobre as igrejas nos lares. Eu acho que destino da igreja do Senhor, vai voltar a ser como no princípio. É só vir a perseguição. E os ricos por serem ricos ão obrigados a dizimarem, porque vocês só falaram dos pobres. É muito bom doar sem constrangimento, a gente dá mais com alegria. Abs. Mariom.

    ReplyReply
  14. minha visão de Dizimo é justamente essa que foi sitada pelo irmão e vejo que as igrejas e mais igrejas tem se levantado por meio de dizimos intereses propios de homens querendo corromper o verdadeiro significado da vontade de Deus. vejo pastores e mais pastores mais preocupados com agordura das ovelhas do que com as proprias o velhas. e ainda se valem de dizer que daram conta delas no juizo final. o rporpio Cristo disse não se pode ser aDeus e ao dinheiro por que amaras a um e repudiara o outro. é complicado ver tatos absurdos e não é só pra completar ainda fazem da casa de Deus um comercio onde se vende de tudo justificando que é pra isso ou aquilo tá tudo errado …

    ReplyReply
  15. que tal nos reunir em residencias ou garagens para pregar o evangelho, sem dizimo, ofertas, toalhinhas, lençinhos, rosinhas, etc.

    ReplyReply
  16. Devemos viver com o necessário e doar o restante para o Reino de Deus (necessitados, órgãos, viúvas, doentes, ministérios sérios em que seus líderes vivam uma vida simples e modesta, missionários, organizações sem fins lucrativos e sim sociais). Não é bíblico obrigar o pobre a doar 10% de suas rendas! O pobre doa voluntariamente o que puder, agora, os ricos e classes médias, estes sim, devem ofertar muito mais que 10%, desde que seja para os destinos acima citados.

    ReplyReply
  17. Paz de Deus
    concordo plenamente, com este estudo, pois os homens, por causa do dinheiro não estão pregando a sã Doutrina de Jesus Cristo que foi deixada para nos atraves dos Apostolos, se a verdade for pregada a Igreja a palha queimara, os santos serão purificados pelo poder da palavra, mais isso eles não querem, não estão nem ai pela santificação do povo, na verdade a salvação da Alma e a prioridade para os servos de Deus e as demais coisas serão acrescentadas, muitos dizem que se vc pagar o Dizimo sera abençoado, esquecem que o dizimo e do tempo da lei e dos profetas que foi ate lucas 16:16, para nos termos a salvação deveremos em primeiro lugar ser batizado e ser fiel ate a morte para termos a vida eterna, as coisas de Deus não podem ser levadas de qualquer maneira, as ofertas tem que ser voluntarias, o senhor não precisa do nosso dinheiro dele e o ouro e prata, quando nos faz saber de contribuir, e para nos participarmos segundo a prosperidade de cada um e de forma voluntaria, o Senhor Jesus nos isentou de toda obra da Lei e o Dizimo era do tempo da Lei.
    Deus o Abençoe.

    ReplyReply
  18. a pouco tempo o proprio deus me abriu os olhos sobre o tal assunto quem tiver em fortaleza entre em contato comigo para discutirmos mais o assunto….francinaldos@hotmail.com

    ReplyReply
  19. Todo mundo quer ser pastor por causa do leite e da lã “dízimos”das ovelhas, e se todos eles tivessem que trabalhar pra se manter como Paulo fazia? todos sabemos que ele era tendeiro e anunciava o evangelho da graça de graça sem cobrar nada, ele disse em (2 cor 11:7 Será que cometi algum pecado ao humilhar-me a fim de elevá-los, “pregando-lhes gratuitamente o evangelho de Deus”?)
    ele trabalhava dia e noite pra não ser pesado ao próximo
    ( 2 Coríntios 12:14-15 Eis que pela terceira vez estou pronto a ir ter convosco, e não vos serei pesado, “porque não busco o que é vosso, mas sim a vós”; pois não são os filhos que devem entesourar para os pais, mas os pais para os” filhos.)
    Quem prega o evangelho de graça hoje? estamos muito longe do verdadeiro Evangelino!

    ReplyReply
  20. MUITO BOM ESTE ARTIGO.CONCORDO PLENAMENTE,ESTE ARTIGO COMPLEMENTOU O
    QUE EU JÁ SABIA.POIS NAO ESTAVA CONCORDANDO QUE ESTE DEUS QUE E AMOR QUERIA QUE OS ORFAOS E AS VIUVAS.FICASSEM PASSANDO NECESSIDADE ENQUANTO OS CHAMADOS “LEVITAS”.TENDO MAIS DO QUE NECESSITAM.
    ISTO ME INCOMODAVA.POIS NEM JESUS NEM SEUS DISCIPULOS NEM JOAO BATISTA
    TINHAM ESTE LUXO TODO. VOU OFERTAR MAIS.POIS NADA E MEU EU APENAS GERENCIO.TUDO E DO PAI.VOU OFERTAR EM FAVOR DOS VERDADEIROS LEVITAS,
    E DOS NECESSITADOS.POIS AGORA SEI QUE NAO ESTOU PECANDO.
    QUANTAS VEZES ENTREGUEI DIZIMOS ALTISSIMOS.E DEIXEI DE DAR DE COMER A QUEM TEM FOME.
    NAO VOU CONTINUAR NESTE ERRO.SE QUEREM PREGAR A PALAVRA DE DEUS QUE FAÇAM
    IGUAL JOAO BATISTA.POIS O QUE NAO FALTA NO NOSSO MUNDO SAO DESERTOS ESPIRITUAIS.OBRIGADO POR ABRIR MEUS OLHOS.

    ReplyReply
  21. ESEQUIEL ROSA DOS SANTOS.,

    Obrigado você por compartilhar esse belíssimo testemunho de sensibilidade e maturidade espiritual.

    ReplyReply
  22. Que maravilhoso esse depoimento do Esequiel, eu estou lendo o livro Cristianismo Pagão, e estou justamente nesse capítulo, sobre dízimos. Concordo plenamente com o Esequiel sobre
    ofertar mais, alguns anos atrás quando meus olhos foram abertos para a verdade , minhas ofertas se tornaram bem maiores que o dízimo, e com infinita alegria as entrego.
    Que Deus continue a abençoar este espaço , maravilhas tem acontecido através deste em nosso meio, nossas igrejas simples tem recebido verdadeiras instruções , ensinamento, atenção e infinitas bençãos ….
    Hugo , você jamais poderá imaginar o quanto o Espírito tem feito de ti , instrumento a favor
    do reino, que as bençãos de Deus esteja sempre sobre você e sua família.

    ReplyReply
  23. Achei o vídeo muito bom, realmente as igrejas hoje só falam em dinheiro, busca-se apenas a prosperidade material, Jesus em seu ministério, não buscava riquezas terrenas, pelo contrário ele falava para seus seguidores largarem tudo e o seguirem, e hoje se faz o contrário busca-se a igreja com o intuito de enriquecer, se formos fazer um estudo tanto na dos sábios da igreja primitiva quanto das pessoas que buscaram uma verdadeira espiritualidade, os místicos cristãos, sábios estes chamados de pais ou padres da igreja, filósofos dos primeiros séculos do Cristianismo, e os místicos cristãos, desde os primeiros séculos até os modernos, nenhum deles fala em riqueza financeira, pelo contrário a primeira coisa que fazem ao aderirem o ministério é uma abdicação total as coisas materiais, o apego de qualquer espécie é um empecílio para espiritualidade profunda, não dá para servir a dois senhores, e isso não acontece apenas na espiritualidade cristã mais na espiritualidade das principais religiões, com Hinduismo, Budismo, sufismo(Islã), Taoísmo, dentre outras, o desapego é uma necessidade perene, se existe muitas contradições entre as religiões , o desapego é algo que é comum a todas elas, e a Igreja Cristão moderna o que faz? estimula cada vez mais este “capitalismo selvagem”, aproximando as pessoas do dinheiro e da ambição material, com fins próprios e pessoas de seus líderes, e afastando de Deus e da verdadeira Espiritualidade, temos que fazer algo, temos que propagar e falar a todos que estão sendo enganados, e que nosso Deus não é isso que está sendo falado, pois ele é eterno e infinito, e não precisa de nada material pois se houvesse alguma necessidade em Deus ele não poderia ter os atributos de perfeição , pois perfeição é não necessitar de nada.

    ReplyReply
  24. Amados, todas as contribuições tem que partir do principio de voluntariedade e gratidão a Deus, e não barganha ( Ato de troca fraudulenta ou não) Contribuímos em forma de agradecimento pelo que temos recebido e não pelo que vamos receber, em resumo (AMOR), não esperando nada em troca. A promessa da semeadura não deve ser a nossa primazia, são bens transitórios mas sim os bens permanentes e eternos, esse era o verdadeiro sentimento da igreja primitiva.

    ReplyReply
  25. Em ralação ao dizimo, não era um ato exigido pela igreja nos primeiros séculos, entretanto eles comungavam os seus bens na eminencia da volta de Cristo, que para alguns estava tardia levando-os ao abandonar da fé Cristã. Paulo incentivava-os a permanecer em Cristo e na comunhão.
    Espero pois que sejamos Cristão com base e fé na nova aliança e não cristão judaizante com base e fé na antiga e nova aliança. (Praticas Legalistas).

    ReplyReply
  26. O dízimo serve apenas para uma coisa hoje: enriquecer pastores gananciosos!
    As ofertas deveriam ser para ajudar os irmãos que estiverem passando por alguma nescessidade, e para missão.
    Abraço.

    ReplyReply
  27. E também concordo com o comentário do Guilherme, pois muitos confundem a “casa de Deus” (que somos nós), com instituições.
    Uma amiga me falou que estava indo em uma dessas quatro paredes que chamam de igreja, e que o “pastor” disse que quem não dava o dízimo ali não podia cantar no coral.
    Ressuscitaram o Templo, e tudo o que havia nele, até os corais!?
    E eu fazia parte de uma que eram ofertas, dízimos, oferta para missão, vinha um “pregador” não sei de onde, oferta para ele também, e não lembravam de ajudar os irmãos da congregação, se alguém tivesse passando por alguma necessidade financeira, é por que não era fiel no dízimo. Só que os pastores vivem bem, dos 10% de cada membro. Imagina, ganham salário e alto para pregar o evangelho do Reino, reino deles. E ainda justificam dizendo que eles vivem para a obra em tempo integral. Mas daí, é por isso que todo mundo quer ser pastor hoje né, tem até curso para isso. Deus me perdoe! Que Cristianismo é esse que eles pregam? Esse parece injusto, prefiro o do Novo Testamento.

    ReplyReply
  28. Hugo pediu pra você me falar sobre o assunto mas este foi maraviloso tirou toda as minhas dúvidas. Obg

    ReplyReply
  29. DEUS NÃO FAZ ASCEPÇAO DE PESSOAS, OS IGNORANTES CEGOS E GANANCIOSOS NÃO QUEREM TRABALHAR, JÁ RECEBERAM A SALVAÇÃO AS CUSTAS DE OUTRO AINDA QUEREM O SANGUE DOS FILHOS DE DEUS.
    NÓS VEMOS QUE OS LIDERES SOMENTE ENRIQUECE, ONDE NÃO VEMOS JESUS ENRIQUECENDO ALGUEM SI ELE QUISESSE ENRIQUECER ALGUEM SERIA DE DIREITO OS SEUS DISCIPULOS QUE TRABALHAVAM NOITE E DIA E SEM ALIMENTO ADEQUADO, OS LIDERES TEM TANTA FÉ QUE TUDO QUE FAZEM NA IGREJA MATERIALMENTE É COM O DINHEIRO DOS IRMAOS, O AMOR DELES ESTÁ NO BOLSO DA IGREJA, E O PIOR É QUE NUNCA SE FARTAM É LAMENTAVEL , COMENTAR SOBRE ESSE ASSUNTO É COISA MUNDANA.
    ABRAÇOS

    ReplyReply
  30. A maior dádiva do dízimo é abrirmos mão das nossas convicções impostas como motivo de salvação e contribuamos ao nosso próximo o nosso amor e nossa solidariedade expontanea

    ReplyReply
  31. prezados irmaos em CRISTO jesus, é bom que lembramos o que disse o mestre na ora da ceia, ele disse tome todos vos este é o meu sangue na nova aliança,O SENHOR JESUS NOS COMPROU COM O SEU SANGUE,AGORA VEJAMOS,MILHARES DE ANIMAIS TIPO OVELHAS,CARNEIROS BODES ETC FORAM MORTOS PARA QUE OS FILHOS DE ISRAEL PUDESSEM SER PURIFICADOS(SOMBRA)SERÁ QUE O NOSSO SALVADOR IRIA COBRAR DINHEIRO PARA UM REINO MARAVILHOSAMENTE RICO,E SE FOsse PRECISAR DE DINHEIRO ELE CHAMA QUANTOS PEIXES QUISSER E MANDA ABRIR A BOCA E TIRA DE DENTRO DOS PEIXES OURO PRATA PEDRA PRECIOSAS, DIZIMOS E OFERTAS NA ALIANÇA É PARA OS CARNUDOS.
    A PAZ DO SENHOR JESUS
    sebastiao

    ReplyReply
  32. Concordo em gênero, número e “degrau”. No meu blog tenho tentado passar esse mesmo ensino. Gostaria apenas de acrescentar, se me for permitido, que Malaquias foi escrito para os sacerdotes, que retinham para si o que devia ser distribuído (como muito bem explanado no artigo acima). Veja Malaquias 2:1, 8 e depois leia 3:8-9. Deus chama de ladrões os sacerdotes pilantras daquela época, que roubavam as ofertas. Por isso, toda vez que ouço ou vejo alguém dizer que quem “não dizima” está roubando, ainda mais de cima de um púlpito, sinto náuseas.
    Finalizando, um conselho para a Ester, que comentou sobre a proibição dos “não-dizimistas” de cantarem no coral: pergunte ao seu pastor se esses “levitas” do coral recebem o sustento integral da “igreja” enquanto estão no minstério. Pois era assim que deveria ser usado o dízimo arrecadado, “para o sustento dos levitas”. Se não estiver fazendo isto, esse pastor é o alvo da repreensão de Malaquias…

    ReplyReply
  33. Graça e paz irmãos. Eu frequento igrjas evangélicas e Jesus mudou minha vida. Mas nunca consegui dar o dízimo integralmente e todas as vezes que falam disso me sinto culpado. Tô aliviado! !!

    ReplyReply
  34. A paz de DEUS.
    comcorco plenamente com tudo que foi dito, mais gostaria apenas de ressaltar que nem todas as igrajas evangelicas praticado o dízimo. A CCB igreja q sirvo a DEUS a orfeta é voluntária e funciona perfeitamente bem a mais de 100 no brasil. obs e também nao tem PASTOR humano, nosso pastor sempre foi Jesus Cristo, vcs conhecem mt bem ele. que Deus abençoe a todos.

    ReplyReply
  35. Graça e paz.

    Muito boa a sua matéria, bastante explicativa. Realmente quase que em geral as instituições religiosas fazem uso da obrigatoriedade do dízimo, de tal forma que causou costumização em meio ao povo, que vivendo sob a Graça não a entendem e buscam frenéticamente angariar posição diante de Deus, igual ao “orador” de Lucas 18.11-12, mas preocupado com seu status quo do que com a própria salvação. Tratando Deus como quitandeiro em feira popular disposto a barganhar com cada um que procure os seus produtos. O evangelho da Graça, é de graça,”…de graça dai, o que de graça recebeis…”; “melhor é dar, do que receber”…; em fim como diz Paulo:”o amor é o cumprimento da lei”, quando amamos a Deus, amamos também as pessoas, não temos tempo de amar as coisa, mas usamos as coisas para compartilhar com as pessoas.

    Um abraço.

    ReplyReply

Comente

FAVOR LER ANTES DE COMENTAR: Obrigado por deixar seu comentário. Este espaço está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes, mas todos os comentários devem ter relação com os temas acima. NÃO SERÃO PUBLICADOS: 1) artigos na íntegra de livros, revistas ou outros sítios (caso a citação seja necessária, favor resumir o conteúdo e citar o link/bibliografia para referência); 2) comentários do tipo "visitem o meu blog", sem nenhuma relação com o tema em questão; 3) comentários ofensivos que contenham palavras de baixo calão ou ataques contra leitores ou contra o editor. Por ser este um espaço aberto a opiniões diversas, comentários publicados nesta seção não refletem necessariamente a opinião deste blog.

Do NOT fill this !